domingo, 17 de fevereiro de 2008

Van Halen: No Brasil (1983)

Texto: Paulo Tasca.
.
Janeiro de 1983. No auge da sua primeira fase, o Van Halen baixa no Brasil para apresentações no Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Quem viu, não esquece. Antes de tudo, é preciso lembrar como o rock rolava difícil por aqui, em 1983. Mesmo em São Paulo, o Rock´n´Roll se resumia a um gueto. Não havia nenhuma publicação especializada de quantidade, como esta que você tem nas mãos. Peneirando bem, até dava para ver um clip ou outro num dos poucos programas de TV. Estava saindo do ar o único bom programa de rock do rádio, o Rock Sandwich, produzido por Kid Vinil e Leopoldo Rey, para dar lugar a (nãããooo!) Dárcio Campos e Ely Corrêa. O roqueiro brasileiro tinha que ir atrás e batalhar. Discos importados eram raridade e custavam os olhos do corpo todo. Aí, a confirmação dos shows do Van Halen, com anúncios nos jornais, alucinou os cabeludos. Ver, in loco, o vocal David Lee Roth com seus pulos de arte-marcial (Ou seria balé ?!?) e Eddie Van Halen, considerado na época o melhor guitarrista do mundo, era o sonho de muitos malucos que eram muito mais bem informados que os jornalistas musicais da época. Estes mesmos jornalistas começaram a coletiva assim: "Daria pra voçês se apresentarem para a imprensa brasileira?" Ou seja, nem os nomes dos caras da banda que estourava no mundo todo havia detonado nos Estados Unidos com cinco discos e mais de cinco anos de excursões monstruosas, eles sabiam. Irônico, o quarteto respondeu cantando a música-tema dos Três Patetas. Em São Paulo, David Lee Roth e Eddie Van Halen, os demais bebuns, piraram na caipirinha. Na noite do primeiro show no Ibirapuera, muita choradeira. A censura livre anunciada na TV tinha sido mudada para 16 anos. Era a primeira banda no auge da carreira se apresentando no Brasil e a pivetada toda (hoje na faixa de 28 anos) teve de ouvir de fora, mesmo tendo de enfrentado fila e comprado ingresso no primeiro dia. Poucos se lembram: a abertura foi de uma banda paulistana chamada Patrulha do Espaço. A escassez de informação era tanta que vários acharam que o Patrulha fosse o Van Halen.
Fora toda essa confusão, o que ficou na memória foi aquele imenso leão pintado no fundo do palco, com um logo do =VH= de cada lado, nuvens densas de gelo seco, e, de repente, boom! Eddie Van Halen passa escorregando de joelhos pra esquerda, David Lee Roth por cima dele de pernas pro ar, pra direita, Michael Anthony dando cambalhotas com o baixo no pescoço e Alex Van Halen trucidando uma bateria de quatro bumbos e trinta e dois tubos de órgão saindo de dentro deles, parecendo turbina de avião. Eddie Van Halen mandando uma voadora com os dois pés nos amplificadores, depois de tocar uma Eruption, e o fogo comendo solto em volta do palco da bateria. O set list era um incrível apanhado de todos os discos: You Really Got Me, Ain't Talkin' 'Bout Love, Dance The Night Away, Somebody Get Me A Doctor, Fools, Everybody Wants Some, Little Guitars, Pretty Woman... Pronto! Fim da virgindade! Pelo menos, dos tímpanos.

Apresentações no Brasil:
21 de Janeiro de 1983: São Paulo - Ginásio Ibirapuera;
22 de Janeiro de 1983: São Paulo - Ginásio Ibirapuera;
23 de Janeiro de 1983: São Paulo - Ginásio Ibirapuera;
25 de Janeiro de 1983: Rio de Janeiro - Ginásio do Maracanãzinho;
26 de Janeiro de 1983: Rio de Janeiro - Ginásio do Maracanãzinho;
27 de
Janeiro de 1983: Rio de Janeiro - Ginásio do Maracanãzinho;
28 de
Janeiro de 1983: Porto Alegre - Ginásio Gigantinho;
29 de
Janeiro de 1983: Porto Alegre - Ginásio Gigantinho;
01 de Fevereiro de 1983: Porto Alegre - Ginásio Gigantinho.

Set List:
01) Romeo Delight  
02) Unchained 
03) Solo (Bateria)  
04) The Full Bug  
05) Runnin' With The Devil  
06) Jamie's Cryin'  
07) Little Guitars 
08) Solo (Baixo)  
09) Beer Drinkers and Hell Raisers  
10) Little Dreamer 
11) Mean Streets  
12) Dance The Night Away 
13) Somebody Get Me A Doctor  
14) Improviso de Alex & Eddie (inclui Girl Gone Bad - instrumental)  
15) I'm So Glad  
16) Somebody Get Me A Doctor (continuação)  
17) Cathedral  
18) Secrets  
19) Everybody Wants Some 
20) David's Song To São Paulo  
21) Ice Cream Man  
22) Heartbreak Hotel 
23) Intruder  
24) Pretty Woman  
25) Eruption 
26) Ain't Talkin' 'bout love

Entrevista Coletiva No Brasil 1983:
Retirada do jornal Rock’n Roll News – Um informativo do Rock’n Roll Club. Dezesseis horas da quarta-feira de 19 de Janeiro, chegamos ao Hilton Hotel para participarmos da entrevista do Van Halen, marcada a princípio para as dezessete e trinta horas. No local, pouca gente conhecida e muita gente que ninguém conhecia. Pontualmente às dezenove horas, entramos na sala onde aconteceria a entrevista, nos acomodamos e, logo após, eis que surgem nossos heróis. Ia começar o bate-papo.

Pergunta: Você define o som do Van Halen como Heavy Metal?

David Lee Roth: Eu não acho que o Van Halen toca música Heavy Metal. Heavy Metal é uma coisa muito específica. Se você fizer uma coisa muito específica será como se você trabalhasse num emprego comum 8 horas por dia. Não é assim que a gente faz nosso trabalho.

Pergunta: Então como é que você define o som que vocês fazem?

David Lee Roth: É uma mistura de vários estilos de música. Somos quatro personalidades diferentes, mas a raiz é a mesma: Rock’n’Roll. Realmente, somos quatro personalidades diferentes. A música que eu gosto, esses caras não aguentam... E o que eles gostam, eu não aguento...

Pergunta: De que tipo de música você gosta?

David Lee Roth: Bem, a música que eu gosto e ouço não tem nada a ver com Rock’n’Roll. Eu gosto de música clássica, Billy Holiday, Al Johnson.
A imprensa pede para que os quatro se apresentem. A Intérprete diz o nome de cada um deles e eles executam a tradicional apresentação dos três (quatro) patetas... (muitos aplausos)

David Lee Roth: As pessoas sempre pensam que o Van Halen tem como formação só Rock’n’Roll, mas isso seria a mesma coisa que alguém casar sempre com a sua própria família o tempo todo. Você com o tempo provavelmente teria filhos retardados... E isso é o que ocorre com muita frequência com a música Rock, Disco, ou qualquer outra forma de música. Eu acho que é melhor roubar um pouquinho de outras influências, e vocês estão olhando para os quatro maiores ladrões de música de todos os tempos... (risadas). Van Halen sempre carrega a influência de outros países. O Van Halen não é só música, é um estilo de viver, o que queremos é nos divertir, viajar e tentar manter saúde mental. Rock’n’Roll é muito superior à música, porque inclui muito mais, desde a hora em que você se deita; ou talvez você nem se deite, o que geralmente acontece conosco...

Pergunta: O que você sabe a respeito da música brasileira?

David Lee Roth: Tudo o que eu sei sobre música brasileira é que eu comprei muitas fitas virgens e trouxe um estéreo muito bom... (risadas)

Pergunta: Você não conhece nenhum autor?

David Lee Roth: É quase impossível descobrir qualquer coisa sobre a América do Sul, a não ser que a América do Sul é uma grande revolução. E isso é a pura verdade. Os jornais, a imprensa, as rádios comentam. O E.U.A está muito intimidado com a América do Sul, e isso é possível, porque afinal, o Brasil é maior que o E.U.A (risadas). Merda, vocês sabem como são os americanos...

Pergunta: Como você explica o sucesso do Van Halen?

Eddie Van Halen: O sucesso do Van Halen? Como? Nós estamos morrendo de fome...

David Lee Roth: O sucesso do Van Halen é baseado em não tentar alcançar o Pote de Ouro no fim do arco-íris, mas sim nos divertir enquanto percorremos o arco-íris. É, a gente vai ganhar algum dinheiro nesta turnê, mas cada centavo vai para a produção deste show. Nós queremos é tocar, e enquanto vocês estiverem nos assistindo aqui no Brasil, e quando outras bandas vierem visitar vocês, é exatamente isso que vai acontecer. Nós queremos tocar, e vocês verão isso. Vocês, meninas, provavelmente verão muito mais...

Pergunta: Você fez sua própria guitarra, certo? Por quê? Você acha que com ela você pode tirar algum som diferente?

Eddie Van Halen: Ninguém pode dizer que o que faz diferença é a madeira em que a gente toca.

David Lee Roth: Todo mundo acha que tiramos o som através do nosso equipamento. Muita gente entra no estúdio e toca o estúdio ao invés de tocar o instrumento.

Eddie Van Halen: Minha guitarra custou 200 dólares para ser montada, ao passo que eu gastaria 1.200 dólares para comprar uma pronta.

David Lee Roth: Na realidade, o que a gente pões no palco é muita luz e muito som. Mas o equipamento é muito barato. O que vocês ouvem como amplificador é o mesmo equipamento que vocês ouvem aqui no bar do Hotel. Todo equipamento é muito barato. Mas você tem que saber como usá-lo. Todo mundo tem um instrumento, é só saber usá-lo... (ele levanta e dá uma rebolada). 

Pergunta: É verdade que você pratica Karatê desde os 14 anos?

David Lee Roth: Sim, minha vida pessoal é guiada pelas coisas físicas. Essa é a estética, a combinação mágica. Eu não sou bom em nada especificamente.

Alex Van Halen: Não? Em uma coisa você é...

David Lee Roth: Mas eu pratico todas.

Pergunta: Com as músicas Pretty Woman, Dancin’ In The Streets e You Really Got Me vocês estão expressando um gosto pessoal ou estão querendo apenas reviver um sucesso?

Eddie Van Halen: Eu queria fazer Dancin’ In The Streets, e o David queria fazer Pretty Woman.

David Lee Roth: O conceito geral que define o que você está perguntando é muito simples, quando se trata de Van Halen. Não nos importa o que as pessoas pensam. Nós apenas queremos tocar Rock. Não nos importa quem os compôs, o que interessa é que é bom Rock. Não faz diferença, nós só queremos nos divertir e tocar nossa música, e todos vocês estão convidados a ouvi-la.

Pergunta: Seria possível o retorno do Van Halen, no futuro?

David Lee Roth: Nós vamos voltar ao Brasil again, again and again...

Pergunta: Poderá ocorrer a volta do pai de vocês aos estúdios para gravar com o Van Halen?

Alex Van Halen: Isso vai depender do tipo de música que a gente resolver gravar. Se a música necessitar de um clarinete sim, mas se não precisar, não haverá convites. Pode ser até que ele venha a tocar e a gente fique só escutando...

Pergunta: Como você define o Rock’n’Roll?

David Lee Roth: Rock’n’Roll é uma atitude, é uma coisa que você não pode aprender. Não posso lhes dizer como ser rockeiros, mas posso ver pelas suas caras que vocês não são rockeiros...

Pergunta (ao Eddie): Você fez uma música com Michael Jackson, certo? O que você achou dessa experiência? Por quê você fez isso?

Eddie Van Halen: Eu gosto de todo o tipo de música, e acho que essa é uma prova disso.

David Lee Roth: Os negros inventaram o Rock’n’Roll e eu realmente não ligo merda nenhuma para o que as pessoas pensam do tipo de música que a gente toca. E esse é um exemplo clássico. Vocês estão vendo um conjunto branco de música Rock, que na opinião de muita gente, não faria carreira, tocando música de gente de outra cor. E essa é a própria filosofia do grupo. A gente pode se divertir e fazer o que quiser, e vocês estão convidados...

Pergunta: Vocês vão tocar alguma música nova nesse show?

David Lee Roth: Sim, vamos sim.

Eddie Van Halen: Só falta compô-las,.. Mas a gente dá um jeito.

Pergunta: Como o pai de vocês se sente, tendo dado a vocês uma influência clássica e de repente ver vocês fazendo uma música cheia de gritos, berros, uma música irritante?

Eddie Van Halen: O que você acha que as pessoas pensavam da música clássica enquanto a mesma era composta? Daqui a 300 anos, a música Rock será considerada clássica.

David Lee Roth: Eu gostaria de responder a essa pergunta. Vocês já foram a algum culto religioso? Já viram um ritual Vudú? Já foram ao Circo? Tudo cheio de gritos, berros, pessoas ficando doidas, bebendo demais? Assim como em seus jogos de futebol? E eu acho que a gente não vai renunciar nem ao futebol nem à música. E se vocês querem falar sério, a terapia é exatamente essa. A gente precisa disso. Algumas pessoas precisam procurar a religião, outras precisam do esporte e as demais vêm aos concertos do Van Halen...

Pergunta: Ouvi falar que no palco você é muito atlético, acrobático, dando saltos, etc. O que você faz para ficar em forma?

David Lee Roth: A idéia é interpretar a música como ela soa. A verdade é que no Rock você pode usar a sua própria criatividade e a atitude que você expõe é que se torna Rock’n’Roll, e nos últimos 5 anos eu fiz ballet, sapateado, música disco, há dez anos que eu pratico Karatê, eu esquio, jogo tênis e todas essas coisas eu levo para o palco. E dessa vez, para vocês, no palco, eu vou jogar tênis durante a primeira música, desse jeito... (Ele levanta e faz os gestos de quem está jogando tênis em câmera lenta, enquanto o Alex reproduz com a boca o barulho da bolinha batendo na raquete de tênis). E essa demonstração vai lhes custar 8 dólares.

Pergunta (ao Alex): Por que você usa quatro bumbos, enquanto que a maioria dos grupos usam um ou no máximo dois?

Alex Van Halen: A música que nós tocamos é basicamente simples... Ritmos complicados não podem ser tocados apenas com dois bumbos. Tem também uma diferente modalidade de textura e de vibração... (gargalhadas).

Pergunta: Eu assisti um concerto do Van Halen na América em 1980 e você dizia no palco "Abaixo Kolmeine" e coisas assim. Existe algum senso político em seu trabalho?

David Lee Roth: Não, não, não, o que vocês viram em 1980 foi que uma pessoa atirou no palco um cartaz e eu o abri, e ele continha esses dizeres. Vocês nunca vão me ouvir falar sobre religião, política ou raça. Porque vocês sabem que depois que um grupo vende milhões de discos, ele se torna internacionalmente reconhecido e eu acho que seria falta de senso se envolver com tais coisas.

Pergunta: A imagem de vocês é vendida comercialmente como um grupo de Heavy Metal, e agora vocês caem em contradição, dizendo que não. Como você explica isso?

David Lee Roth: Esta noite eu tive um pesadelo horrível. Eu sonhei que saí da cama e estava com os cabelos todos despenteados, mais ou menos como agora, e no sonho eu saí do quarto e todo mundo olhou pro meu cabelo e disse: "Você não pode sair desse jeito, você está parecendo com o Robert Plant, vão achar que você é Heavy Metal". Corri de volta para o quarto e cortei todo o meu cabelo e saí de novo, e eles me disseram: "Isso não, você está parecendo Sex Pistols!", e eu disse: "OK". Então o sonho ficou ainda pior. Voltei para o quarto e fiz uma maquiagem para cobrir o rosto e eles disseram: "Não, isso é Kiss!". Eu acordei, e digo que me conformo em parecer Heavy Metal...

Pergunta: Afinal, que tipo de música vocês fazem?

David Lee Roth: Big Rock é um termo que nós inventamos. E é alguma coisa que soa grande. Nós tentamos inventar a nossa própria categoria, porque assim, quando tudo terminar, quando não houver mais a música do Van Halen, eu tenho certeza de que nos colocarão num lugar especial.

Pergunta: Eu assisti um show do Van Halen uma vez e me lembro que o David parou durante 5 minutos, e que a multidão ficava cada vez mais selvagem. Como é essa sensação?

David Lee Roth: Existe uma química no trabalho do Van Halen que funciona com todos os bons entretenimentos. A química é: as pessoas vêem, olham bem no fundo dos seus olhos e olham profundamente até sua alma e eu lhes digo o que elas vêem quando olham a sua alma. Eles vêem a si mesmos e a maioria das pessoas quando vêem a si mesma dizem: "yeah!" é isso mesmo...

Pergunta: Quando vocês fizeram o promocional de Pretty Woman, como vocês escolheram os personagens? Vocês se identificam com algum deles? Por que a apresentação foi censurada nos E.U.A?

David Lee Roth: Todo mundo aqui já viu o promocional?

Imprensa: Não!

David Lee Roth: Ele realmente foi censurado na América e os personagens do vídeo são diferentes daquele Van Halen do palco. Foi mais como um filme de Hollywood e deu oportunidade a cada um de nós de criar uma fantasia. Nós tivemos um cowboy (Eddie), um guerreiro samurai (Michael Anthony), um Napoleão (David), e quando chegou a hora de achar um personagem para o Alex, nós soubemos que iria fazer muito frio no local da filmagem, então escolhemos para ele o papel de Tarzan.

Alex Van Halen: Thank you very much! (risadas)

Pergunta: Por que o filme foi censurado?

David Lee Roth: O filme foi tirado da TV americana, porque no fim da apresentação uma pessoa vem correndo e tira a peruca, e era um homem. E as pessoas que estavam encarregadas desse promocional ficaram sem saber se a gente estava brincando com os homens ou com as mulheres. E como a maioria das pessoas encarregadas desse filme não eram homens nem mulheres, não puderam entender nada (muitas risadas).

Pergunta: Acho que você é considerado um grande guitarrista. Você se sente responsável em querer melhorar a sua maneira de tocar?

Eddie Van Halen: (pensativo) Não! (risadas). A razão pela qual eu toco desse jeito é que nunca me ensinaram nada. Acho que a melhor maneira de se aprender as coisas é não ser ensinado.

Pergunta (ao Eddie): Qual é o seu guitarrista preferido?

Eddie Van Halen: Edward Van Halen (risadas).

Pergunta: E depois?

Eddie Van Halen: Alex Van Halen, e depois David Lee Roth e Michael Anthony...

Pergunta: O que você acha de Eric Clapton?

Eddie Van Halen: Excelente.

Pergunta: E de Jimmy Page?

Eddie Van Halen: Excelente.

Pergunta: Todos os baixistas em geral são quietos, como Bill Wymanm por exemplo. Você também é assim?

Michael Anthony: É verdade que aqui, atras do palco, eu estou bem quieto, mas quando vocês me virem aqui no Brasil, não fiquem perto demais demim... (risadas)

David Lee Roth: OK, thank you, and bye!...

David Lee Roth Homenageia São Paulo:
Durante o show, Dave improvisa uma música em homenagem a São Paulo.

".....quem quer mais, quem quer mais, yeah, i said! Ooh oh ooooh, ooh oh ooooh, ooh oh oooh...Brasil, you're number one man, number one, babe, i said!
But I remember.. yes.. I said... Lord, want some on the go... yes, I said. My momma told me: David, you're gonna have some fun...She said: you're gonna have your fun in Sao Paulo!! Yeah! But I remember....yes...Go! My daddy told me go!! Yes! I said: daddy, I'm leaving as fast as I can. He said: where the hell are you goin' boy? I said: I'm headed South.....to Sao Paulo!!!"
 

Tradução:
"Eu me lembro....yes..Deus, eu quero dar um role...yes! Minha mãe me disse: David, você vai se divertir..Ela disse: você vai ter diversão em São Paulo! Yeah! Mas eu me lembro...yes..Vai! Meu pai me disse "vai"!!Eu disse: pai, eu to saindo o mais rapido que puder. Ele disse: onde diabos você está indo, filho?? Eu disse: Estou indo pro Sul....pra São Paulo!"

Fotos das Apresentações no Brasil:






Fotos: Bolivia Rock, Eduardo Pinheiro.
Matérias & Entrevistas: Paulo Tasca, Eduardo Pinheiro.

15 comentários:

  1. Magnífico.

    Como eu gostaria de ter ido nos shows do =VH= no auge da carreira dos caras, deve ter sido alucinante mesmo. Se bem que eu nasci em 1989, só posso ser uma encarnação de alguém que viu esse show, porque arrepiei só de ler seus comentários e ver as fotos...

    grande abraço e viva Van Halen !!!

    ResponderExcluir
  2. Por favor, uma curiosidade: o Eduardo Pinheio eh o mesmo Eduardo que trabalhou na Galeria do Rock (ja fazem varios anos)?
    Acredito que algumas fotos postadas no blog sejam dele. Lembro dele ter comentado de ter encontrado em plena praça da republica o Eddie e o Irmao passeando pois o hotel era bem perto dali.
    Esse Eduardo tem muito material do VH.

    [] a todos

    Marcos Aurelio
    Ilustrador Profissional
    www.estudiomanga.com.br

    ResponderExcluir
  3. "Por favor, uma curiosidade: o Eduardo Pinheio eh o mesmo Eduardo que trabalhou na Galeria do Rock (ja fazem varios anos)?"

    Eu não sei dessa informação, conheço ele só por conversarmos na internet, ele tem muito material sobre o Van Halen, um Grande Amigo, entre no Orkut dele, talvez você conhece ele:

    http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=8670561693197904306

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Eu estava lá !!!!!
    Parece que foi ontem... David Lee Roth fazendo "um brinde para São Paulo", as "voadoras" nas caixas acústicas, o solo de batera junto aos efeitos dos estrobos....
    INESQUECÍVEL !!!!
    Tem razão, a maioria da "mulecada" achou que o "Patrulha" fosse o Van Hallen... he he he

    ResponderExcluir
  5. Cara,aquilo foi um sonho que infeli
    -zmente,passou bem distante da mi -
    nha vida.Eu tinha 19 anos,morava em
    recife,curtia a banda desde o seu
    primeiro disco,era estudante e não
    tinha condições de viajar prá sampa
    Prá piorar tudo,a tv jornal,afilia-
    da da Band aqui,não transmitiu o ev
    ento em minha cidade,pois cortava
    logo a propaganda.No mais, thanks
    pela matéria,pelos ingressos e pe-
    las fantásticas fotos.VH FOREVER!!

    ResponderExcluir
  6. Very good post. I have been searching for this post since many days. Now I have implemented the same for my site.
    Bulldogs

    ResponderExcluir
  7. Obrigado amigos! Eu que agradeço a vocês! Voltem sempre! Abraços!

    Ashley - thanks friend! Thanks for visiting!

    ResponderExcluir
  8. Qual era a musica instrumental de abertura que tocou antes de Romeo Delight desses shows no brasil em 1983?

    ResponderExcluir
  9. Yasmin, é uma jam - é uma música inventada e provisória apenas, ela só é usada para dar uma ligação e explosão para dar o início do show com mais alegria e rock and roll!

    Obrigado pelas visitas! Volte sempre! Boa Semana!

    ResponderExcluir
  10. eu trabalhei nesse show era roadie da patrulha fiquei no cama rim deste show junto com o pessoal da patrulha meu nome e ronaldo fico feliz em ver q tanta gente gostaria de estar nessa show pena q falam pouco da patrulha mas tdo bem

    ResponderExcluir
  11. Bem que eles poderiam voltar para o Brasil agora que o David voltou a banda *-*

    Please come VH \m/

    ResponderExcluir
  12. Acabei de baixar o show do dia 21-01-83 e que apresentação
    fantástica foi aquela!Na época,a tv local aqui de Recife,
    que era afiliada da tv Bandeirantes e retransmitia a progr
    mação ai de SP,infelizmente não transmitiu o show do Van
    Halen prô nosso estado.Me lembro que as chamadas do show,
    que as vezes por distração os técnicos da emissora deixa-
    vam escapar por segundos,eram imediatamente cortadas.E o
    que mais me chateou na época,foi que em Fevereiro daquele
    ano,a emissora local daqui faliu,sendo que toda programa-
    ção tava vindo direto de SP,via Bandeirantes,mas já era
    tarde demais...Se vc falou que era difícil ser Rocker ai
    em SP naquela época,imagine aqui em Recife,no Nordeste do
    Brasil.Pois é meu chapa,depois de quase trinta anos de ba
    talhar pelas imagens do Van Halen no Brasil via tv,final-
    mente consegui êsse histórico e marcante show,carregado de
    muita emoção e saudades de uma época inesquecível,a nossa
    adolescência dos anos 80.quem viveu,viveu! Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Tem um videocast de uns caras de BH sobre o Van Halen q fala disso
    www.youtube.com/watch?v=f_KRbdK_fbo
    muito bom...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te agradeço Terêncio,porém,vi o videocast do VH
      no Youtube e francamente,não gostei.Os caras de-
      ram um parecer muito vago e limitado sobre a ban
      da,dando ênfase a apenas dois discos, o VH 1 e o
      1984,enquecendo de ótimos discos como o Fair War
      ning e o Diver Down.Além do mais,não falaram dos
      shows no Brasil em Janeiro de 83 que teve,vôce
      sabe,ampla cobertura da imprensa e muita reper
      curssão naquela época.Pra mim,são amadores de pr
      imeira viagem e não acompanharam a trajetória da
      banda,e ainda falaram da fase digamos,mais fraca
      e comercial da banda em termos de hard rock que
      foi os anos 90.É preciso ser fã da banda prá fa-
      zer comentários ou críticas,mesmo construtivas.

      Excluir
  14. What is the INTRO Song, before the Band plays Romeo Delight ???

    ResponderExcluir